Análise: Vice em Indian Wells dá “respiro” para Marcelo Melo no ano

Divulgação

No último sábado, o tenista mineiro Marcelo Melo chegou muito perto do título do Masters 1.000 de Indian Wells junto com o polonês Lukasz Kubot. A parceria venceu o primeiro set por 7/6(1) e abriu 4/2 contra o par formado pelo sul-africano Raven Klaasen e o norte-americano Rajeev Ram, porém os adversários se recuperaram e acabaram fazendo 6/4 na segunda parcial e fecharam o match tie-break por 10-8. Ainda assim, o vice-campeonato merece ser comemorado bastante pelo duplista brasileiro.

LEIA TAMBÉM:
Federer mantém escrita, derrota freguês Wawwinka e é penta em Indian Wells
Torneio de Indian Wells ficou mais de 10 anos sem irmãs Williams por caso de racismo

QUE MÁGICA! Bruno Soares faz jogada do torneio em Indian Wells; assista

Tudo porque Melo começou a temporada 2017 com um parceiro novo depois de muito tempo. Após mais de quatro anos atuando junto com o croata Ivan Dodig, Marcelo escolheu disputar o circuito agora com Lukasz Kubot, jogador conhecido por um estilo “kamikaze” em quadra.

Se o brasileiro usava bem a excelente devolução e o saque eficiente de Dodig para cobrir bem a rede nas últimas temporadas, Marcelo aposta em fortes tiros da base por parte de Kubot em 2017. O problema é que nos primeiros dois meses, a dupla amargou eliminações precoces e, após o Rio Open, o mineiro falava em tom de lamentação sobre os resultados frustrantes.

Quem é acostumado a acompanhar o tênis brasileiro, sabe que Marcelo é um tenista que raramente se excede em entrevistas ou é conhecido por declarações fortes. Por isso ao dizer que “não adiantava a gente dar bomba para todo lado, porque daí vamos perder para qualquer dupla”, o mineiro certamente estava incomodado com a falta de equilíbrio na parceria com Kubot.

Chegou a enfatizar que os dois jogariam juntos até o Masters 1.000 de Miami para terem uma noção se continuariam a parceria. Com o bom resultado em Indian Wells, onde ganharam de Jamie Murray e Bruno Soares na semifinal, a expectativa é que Kubot e Melo sigam em frente. Pelo menos a médio prazo.

No ranking a ser divulgado nesta segunda-feira, Melo permanecerá em 9º lugar na lista individual de duplas (Bruno Soares é número 7), que conta os resultados separados de um jogador, e a parceria com Kubot subirá 14 posições, indo ao 6º lugar na temporada. Vale lembrar que as oito melhores duplas jogam o ATP Finals, em novembro, torneio em que Melo foi vice-campeão duas vezes.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.