Prass usa “exemplo Zé Roberto” e continua sonhando com vaga na seleção

Cesar Greco / Ag. Palmeiras

Aos 38 anos, Fernando Prass ainda sonha vestir a camisa da seleção brasileira. Cortado dos Jogos Olímpicos Rio 2016 por causa de uma fratura no cotovelo, o goleiro do Palmeiras voltou a falar sobre uma chance com Tite, principalmente após excelente atuação no clássico contra o Santos, no último domingo, em que fechou a meta alviverde ao longo dos 90 minutos.

LEIA TAMBÉM:
Prass se diverte ao relembrar gol perdido por Deivid em Vasco x Flamengo

Prass revela pensamento “catastrófico” em lance claro de Vitor Bueno; assista

Para o camisa 1 do Palmeiras, a idade não será uma desculpa para ficar de fora dos chamados por Tite.

“Tem jogador que tem carreira fantástica sem nunca ir para a Seleção. Não é frustração, mas fica faltando algo na carreira. Eu também penso em jogar na seleção, óbvio. Em relação a idade, sempre usei o Zé Roberto (42 anos) como exemplo, se ele é o melhor lateral do Brasil precisa ser convocado. O rendimento campo vai te dizer se tem condições ou não, a idade é o que menos importa. Óbvio que eu sonho e vou sonhar até o dia em que eu deixar de jogar”, afirmou Prass em entrevista coletiva, na Academia de Futebol.

Antes de pensar em seleção, todavia, o arqueiro quer seguir como titular do Palmeiras e promete não dar moleza a Jaílson. “Chega de descanso. Fiquei descansando por cinco meses ano passado, descansei para a carreira inteira já”, brincou Prass ao ser questionado se gostaria de ser poupado nas últimas rodadas da primeira fase do Campeonato Paulista, já que o Verdão garantiu, com a vitória sobre o Peixe, vaga antecipada nas quartas de final.

Vale lembrar que o vínculo de Prass com o Verdão se encerra em dezembro de 2017. De acordo com o próprio, seu objetivo a curto prazo é mostrar serviço para que o clube queira prolongar seu contrato.

“Eu não posso pensar em longo prazo. A Copa do Mundo é em 2018, eu tenho contrato com o Palmeiras até o fim do ano. Tenho de pensar em fazer o melhor possível para renovar e ficar mais um tempo aqui. As coisas vêm ao natural, jogar bem, ter uma performance boa para ser lembrado de novo no grupo de goleiros que possam ser convocados”, encerrou o goleiro alviverde.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.