Gostou da nova pintura da Force India? Confira 15 pinturas curiosas da Fórmula 1

Fórmula 1
Twitter Oficial da Force India

Nesta terça-feira, a Force India apresentou uma pintura interessante: os carros da equipe indiana terá a cor rosa como predominante no seu modelo VJM10 para a temporada 2017. Pensando nisso, o Torcedores.com foi atrás de outras pinturas curiosas ao longo da história da categoria: sabia que a Ferrari já foi azul? Lembra da Ligier camuflada? E o que acha de um carro patrocinado pela série “Xena, a princesa guerreira”? Não deixe de conferir, essas e outras curiosas pinturas:

1958 – FERRARI AMARELA BELGA, GP DA BÉLGICA

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

A escuderia italiana adotou essa cor apenas no carro do piloto belga Olivier Gendenbien, durante o GP da Bélgica daquele ano, como uma forma de homenageá-lo, já que ele era um piloto reconhecido por seu talento em provas de rali, e os “ases belgas” eram identificados justamente por esta cor. A autorização para essa homenagem partiu do próprio Enzo Ferrari.

 

 

 

 

1964 – FERRARI AZUL, GP DO MÉXICO E GP DOS ESTADOS UNIDOS

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Em 1964, Enzo Ferrari comprou briga com o Automobile Club d´Italia, por conta de uma decisão, e resolveu retaliar: naquela época, os carros corriam com cores que representavam cada país, e a Itália, como é de se imaginar, era representada pela cor vermelha (a cor oficial da Ferrari é a amarela, que é a cor da cidade de Modena, primeira sede da empresa). Por conta disso, Enzo prometeu que “nunca mais a Ferrari iria alinhar seus carros com as cores da Itália”, e assim o fez. Nos GPs do México e dos Estados Unidos, ele cumpriu o que prometeu, e os carros da escuderia foram inscritos pela North American Racing Team, uma equipe americana, e correu com as cores azul e branca. É claro que no fim, a Ferrari voltou a utilizar as cor vermelha, e Enzo venceu a batalha com o Automobile Club d´Italia.

 

 

1971 – LOTUS DOURADA E PRETA, GP DA ITÁLIA

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Devido a morte de Jochen Rindt um ano antes, no GP da Itália de 1970 da Fórmula 1, a Lotus não poderia disputar a prova italiana de 1971. Por conta disso, a equipe inscreveu seus carros utilizando outro nome (World Wide Racing), e também adotou uma pintura bem diferente: o dourado e preto, deixando de lado o patrocínio com a marca de cigarros Golf Leaf. Na pista, o brasileiro Emerson Fittipaldi, um dos pilotos da Lotus, conseguiu terminar a prova apenas na oitava posição.

 

 

 

 

 

1976 – HESKETH PENTHOUSE

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Apesar de uma curta existência durante os anos 70, se teve uma equipe que não passou despercebida na Fórmula 1, como poucas conseguiram, essa foi a Hesketh. Primeiro, com James Hunt como seu piloto principal entre 1973 a 1975, estampando em seu macacão a célebre frase “sexo, o café das manhãs dos campeões”, e depois, com a pintura extravagante de seu carro durante as temporadas de 1976 e 1977, quando foi patrocinada pela revista Penthouse, a principal concorrente da Playboy. Além do desenho da garota chamando a atenção no carro, algumas modelos também marcavam presença ao lado dos carros da equipe no grid de largada. Não tinha como passar despercebida, não é mesmo?

 

 

 

 

 

 

 

 

1986 – MCLAREN MARLBORO LIGHTS, GP DE PORTUGAL

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Pode parecer que é apenas uma foto desbotada, mas não é este o caso: a Philip Morris, conglomerado tabagista dona da marca Marlboro, resolveu mudar a cor do segundo carro da equipe naquele ano (pilotado por Keke Rosberg) durante o GP de Portugal para promover a marca “Lights”, cuja a caixa trocava a tradicional cor vermelha por um tom dourado. Apesar de na maioria das imagens, a pintura parecer um amarelo, na verdade, a cor era mesmo dourado.

 

 

 

1993 – LIGIER GITANES, GP DO JAPÃO E DA AUSTRÁLIA

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Essa pintura camuflada foi utilizada pela equipe francesa no carro de Martin Blundell nas duas últimas provas da temporada de 1993. Se olharmos bem, dá para perceber o nome gigante da marca de cigarros Gitanes, mas graças as manchas brancas e a “dama de preto”, a impressão de que se trata de uma camuflagem ficou praticamente perfeita.

 

 

 

 

 

 

1997 À 2001 – JORDAN BENSON & HEDGES

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Os tradicionais carros amarelos da equipe de Eddie Jordan durante as temporadas de 1997 à 2001 da Fórmula 1, sempre roubaram a cena, seja por conta da beleza da pintura dos carros, seja pelas mudanças sutis nos bicos a cada temporada. Em 1997, o bico tinha a imagem de uma cobra.

 

 

 

 

 

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Durante as temporadas de 1998 a 2000, a equipe adotou a vespa na pintura de seus carros.

 

 

 

 

 

 

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Em 2001, último ano da parceria entre a Jordan e a Benson & Hedges, o animal que ganhou destaque na pintura da equipe foi o tubarão.

 

 

 

 

 

 

 

1997 – TYRRELL PRINCESS WARRIOR, GP DA GRÃ BRETANHA

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Pois é, quem diria que Xena, a Princesa Guerreira, marcaria presença no grid de largada da Fórmula 1, não é mesmo? Isso aconteceu no GP da Grã Bretanha em 1997, quando a Tyrrell fez um acordo com a emissora britânica Channel 5, e cedeu um espaço no carro da equipe para divulgar um dos programas do canal. E foi assim, que a Princesa Xena ganhou um lugar de destaque no Tyrrell 025 na temporada de 1997.

 

 

 

 

 

1999 – BAR COM DOIS PATROCINADORES

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

A equipe British American Racing em seu ano de estreia na Fórmula 1, resolveu inovar: apresentou o seu BAR 01 com duas pinturas diferentes: enquanto um dos carros era patrocinado pela marca de cigarros 555, com uma pintura totalmente azul, o segundo carro estampava a marca de cigarros Lucky Strike, com uma pintura branca e vermelha. Ambas as marcas de cigarros pertenciam a empresa British American Tobacco, que por sua vez, era a proprietária da equipe BAR. Porém, o regulamento da Fórmula 1 não permitia tamanha diferença entre dois carros da mesma equipe, e a solução encontrada pela escuderia foi um tanto inusitada: os dois carros passaram a estampar as duas pinturas, uma delas de cada lado do carro, divididas por um zíper. Inclusive, os macacões dos mecânicos também ganharam um visual semelhante a pintura dos carros.

 

 

 

2001 – FERRARI DE LUTO, GP DA ITÁLIA 

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Devido aos atentados que ocorreu no dia 11 de setembro nos Estados Unidos, a Ferrari, assim como algumas outras equipes da Fórmula 1, prestaram diversas homenagens as vitimas. E com certeza, a que chamou mais a atenção foi da Ferrari, que pintou o bico dos caros da escuderia italiana de preto.

 

 

 

 

 

2004 – JAGUAR “OCEAN’S TWELVE”, GP DE MÔNACO

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Na temporada 2004 da Fórmula 1, a Jaguar apresentou uma pintura especial no Grande Prêmio de Mônaco: a equipe fez uma pintura especial com o bico e capa do motor pintadas de vermelho, e com a divulgação do filme Ocean’s Twelve, conhecido aqui no Brasil pelo título de “Doze Homens e Outro Segredo”. Além da pintura especial, o carro também tinha uma joia incrustada no bico de seus carros, o que gerou uma “caça ao tesouro”, já que durante a prova, o austríaco Christian Klien bateu o seu Jaguar nas barreiras de proteção da curva Mirabeau, e a pedra de diamante avaliada em 200 mil dólares jamais foi encontrada…

 

 

 

 

2005 – RED BULL RACING STAR WARS EPISODIO 3, GP DE MÔNACO

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Adotando a tática que a Jaguar havia realizado um ano antes, a estreante da categoria resolveu fazer uma parceria com a Lucas Film e promoveu o filme Star Wars Episódio 3: A Vingança dos Sith.

 

 

 

 

 

 

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Porém, a parceria foi muito além de uma simples mudança de pintura (o carro da escuderia rubro taurina apresentava o nome do filme e a imagem de Darth Vader): durante os pit stops, um exército de Stormtroopers realizava a troca de pneus, comandados, é claro, pelo mecânico-chefe Darth Vader. A Fórmula 1 poucas vezes viu uma ação comercial tão criativa quanto essa.

 

 

 

 

 

 

 

2006 – RED BULL RACING SUPERMAN, GP DE MÔNACO

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Em 2006, novamente em Mônaco, a Red Bull fez uma nova parceria para divulgar um filme, e desta vez, o escolhido foi o filme Superman Returns.

 

 

 

 

 

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Além da pintura, novamente a equipe foi um pouquinho além na divulgação do filme do Homem de Aço, e os pilotos tiveram que adotar o uso de uma capa em sues macacões. E pode se dizer que deu certo, já que o escocês David Coulthard subiu ao pódio, na terceira posição, e essa foi a primeira e única vez que vimos alguém vestido de capa em um pódio da Fórmula 1…

 

 

 

 

 

 

2007 – HONDA EARTH-CAR

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

No inicio da temporada 2007, a Honda surpreendeu todo mundo ao apresentar uma pintura totalmente inesperada: o planeta Terra era a pintura do modelo RA107, que acabou ficando conhecido como o Carro-Terra. A intenção da escuderia japonesa era que a Fórmula 1 se tornasse uma categoria mais limpa, que causasse um impacto menor ecologicamente, por isso, adotou uma pintura que não tinha nada a ver com nenhum de seus patrocinadores, o que foi espetacular.

 

 

 

 

 

2007 – RED BULL RACING “WINGS FOR LIFE”, GP DA GRÃ BRETANHA

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Novamente a Red Bull Racing realizou uma pintura interessante, mas desta vez, para uma causa nobre: a empresa realizou uma campanha intitulada “Wings For Life”, para promover a doação de medula óssea. Os fãs que participaram da campanha, tiveram uma foto sua inserida na pintura do carro que disputou o Grande Prêmio da Grã Bretanha na temporada 2007 da Fórmula 1. No total, foram aproximadamente 30 mil fotos.

 

 

 

 

 

 

 

 

2017 – PINTURA NOVA DA FORCE INDIA

Twitter Oficial da Force India
Twitter Oficial da Force India

Nesta terça-feira, a equipe indiana apresentou a nova pintura do seu VJM10, que já havia participado dos treinos livres com uma pintura de cor prata. Devido ao novo patrocinador da escuderia, a BWT, a equipe resolveu inovar e adotou a cor rosa para esta temporada da Fórmula 1.

 

 

 

 

 

BÔNUS: LOLA MASTERCARD, 1997

Reprodução/Pinterest
Reprodução/Pinterest

Seria injusto deixar passar batido a oportunidade de apresentar um dos carros que foi considerado o mais bonito da temporada de 1997: o Lola “Mastercard”, que participou do treino classificatório do GP da Austrália daquele ano, mas que não conseguiu ficar dentro do limite de 107% (aliás, foi quase 15 segundos mais lento que o pole), e por isso, não pode fazer parte do grid de largada. Envergonhada com o desempenho pífio do carro, a Mastercard retirou o patrocínio antes mesmo da prova seguinte, o GP do Brasil, e a equipe fechou as portas.

 

 

 

 

Confira todas as imagens dos carros citados acima, na galeria abaixo: