“O futebol feminino é um produto que precisa ser bem vendido”, defende Emily Lima

Emily Lima
Foto: Reprodução/ SporTV

Primeira mulher na história a comandar a Seleção Brasileira Feminina de Futebol, a técnica Emily Lima participou na manhã desta quarta-feira, 08, no Dia Internacional da Mulher, do programa Redação SporTV e fez críticas ao comportamento das mulheres frente ao futebol feminino.

Aposentada dos gramados ainda cedo, aos 29 anos, Emily Lima, hoje com 36, se destacou como treinadora a partir de 2015, conquistando títulos como o Campeonato Paulista, os Jogos Abertos e os Regionais de São Paulo sob o comando do São José. Em 2016, a treinadora levou a equipe joseense ao vice-campeonato da Copa do Brasil.

LEIA MAIS:

CONFIRA A TABELA COMPLETA DO BRASILEIRÃO FEMININO 2017

FPF DIVULGA TABELA DE JOGOS DO PAULISTA FEMININO SUB-17; CONFIRA

Para Emily, mesmo que a modalidade não conte com muito apoio da mídia e de patrocinadores, as próprias praticantes devem, antes, mudar suas mentalidades quanto ao esporte.

Eu sempre falo que o futebol feminino é um produto que precisa ser bem vendido. Às vezes as próprias atletas e as pessoas que trabalham com a modalidade fazem que seja um produto ruim. Então, a culpa também é nossa. Não só porque falta mídia, falta patrocinador. Porque se o patrocinador ver um produto ruim, ele não vai investir.  A mudança do nosso comportamento também tem que existir para que a gente possa trabalhar juntos e a modalidade cresça.”

Apesar da escolha da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pela treinadora ter acontecido após um pedido da Federação Internacional de Futebol (FIFA) para que todas as seleções tivessem ao menos uma mulher fazendo parte das comissões técnicas, Emily destacou a coragem na opção da instituição do país.

 “Infelizmente foi dessa forma [a escolha], né? Mas eu acredito que isso é parte de um processo natural que iria acontecer e vai acontecer. É uma tendência muito grande. Acho que foi um passo ousado que a CBF deu de colocar uma mulher no comando da Seleção Feminina, porque não é fácil, é algo bastante difícil, por conta de a modalidade no país ser o que é, mas a gente está aí para trabalhar”, concluiu.