Conheça a história dos clubes: RB Leipzig

Crédito da foto: Reprodução/ perfil oficial do RB Leipzig no Facebook

Busco hoje iniciar uma nova série aqui no site. Contar e desvendar a história dos mais diversos clubes no mundo, aprenderemos sua história desde sua fundação até os dias atuais. Hoje veremos e conheceremos a história do RB Leipzig.

Bem antes da chegada da Red Bull e seu dinheiro o SSV Markranstätd  penava em um elevador de divisões no futebol alemão. O clube sofria de uma grande inconstância, isso foi um dos motivos do declínio do time que iniciou-se na temporada 1948-1949 (última vez que a equipe esteve na 1ª Liga). Desde a década de mil novecentos e cinquenta o time varia entre a 2ª Liga e a 6ª Liga.

O interesse da Red Bull no futebol não é de hoje, já que no momento da compra do SSV Markranstätd  a empresa já comandava outros quatro clubes: o Red Bull Salzburg, o New York Red Bulls, o Red Bull Ghana e o Red Bull Brasil. Um fato curioso é que o SSV Markranstätd não foi a primeira opção da Red Bull para entrar no futebol alemão, alguns outros clubes foram sondados e algumas negociações estiveram perto de serem concretizadas, porém após protestos das torcidas foram encerradas.

A empresa fez sua primeira tentativa de entrar no cenário do futebol alemão em 2006. Por conselho de Franz Beckenbauer, a empresa decidiu investir em Leipzig. O primeiro clube sondado foi o FC Sachsen Leipzig, equipe sucessora do antigo campeão do leste alemão BSG Chemie Leipzig , que durante anos estiveram em dificuldades financeiras. A Red Bull elaborou planos de investir até 50 milhões de Euros no clube. A companhia planejou uma aquisição, com uma mudança das cores da equipe e do nome do clube. Porém em 2006, o FC Sachsen Leipzig jogou na Oberliga, até então o quarto escalão no sistema da Liga Alemã de futebol. Como o clube estava jogando na quarta divisão, o clube teve de se submeter a Associação Alemã de Futebol (DFB)  para dar continuidade ao procedimento de licenciamento, porém a DFB rejeitou o pedido pois não queria um clube-empresa no futebol alemão. Depois de meses de protestos dos fãs, que se deterioraram em violência, a empresa abandonou oficialmente os planos.

Com a frustração na primeira investida a Red Bull passou então a Alemanha Ocidental. A empresa fez contato com o tradicional  FC St. Pauli , e se reuniu com representantes do clube para discutir um acordo. Entretanto os torcedores do FC St. Pauli aboliram a ideia e realizaram protestos contra a aquisição da empresa, finalizando assim a segunda investida da Red Bull em entrar no futebol alemão.

A Red Bull chegou a contactar o Hamburgo. No entanto quando ficou claro para o lado de Hamburgo que a empresa tinha planos muito além do patrocínio convencional, imediatamente o contato terminou, e nunca chegaram a questão para a gestão do clube. A empresa, em seguida, tomou contato com TSV 1860 Munique. As negociações começaram a portas fechadas, mas o clube não estava interessado em um investimento e terminou o contato.

Em 2007, a Red Bull fez planos para investir no Fortuna Düsseldorf , um clube tradicional com mais de 100 anos de história. Os planos se tornaram público, sabia-se que a empresa queria adquirir mais de 50 por cento das ações do clube e havia rumores de que a empresa queria mudar o nome do clube para  “Red Bull Düsseldorf” ou algo similar. Os planos foram imediatamente recebidos com protestos selvagens dos torcedores do clube.Tal como aconteceu com FC Sachsen Leipzig, os planos também entraram em dificuldades legais. Os estatutos da DFB não permitiram a alteração do nome do clube para fins publicitários ou de um investidor externo. Eventualmente, os planos foram claramente rejeitados pelos sócios do clube. Após vários fracassos na antiga Alemanha Ocidental, a empresa voltou a olhar  para a Alemanha Oriental.

Leipzig foi considerado o lugar mais favorável para um investimento. O potencial para estabelecer um novo clube em Leipzig parecia enorme. A cidade tinha uma rica história no futebol, sendo o local de encontro para a fundação do DFB e a casa do primeiro campeão nacional de futebol alemão, VfB Leipzig. No entanto, o estado atual do futebol em Leipzig era fraco. Nenhuma equipe da cidade havia jogado na Bundesliga desde 1994, e nenhuma equipe tinha jogado em um campeonato profissional desde 1998.  As duas melhores equipes jogavam na Oberliga (quinta divisão,liga regional/amadora), e o futebol local foi atormentado pela violência das torcidas. A cidade necessitava de um nível de futebol alto. Leipzig tinha uma população de cerca de 500.000 habitantes. A cidade tinha assim uma força econômica considerável e potencial. Ao mesmo tempo, não havia clubes da Bundesliga dentro das proximidades da cidade, o que reforçou ainda mais a possibilidade de atrair patrocinadores e torcedores. Em Leipzig,infra-estruturas exemplares também podiam e podem ser encontradas. A cidade tinha um grande aeroporto, conexões de auto-estrada e o mais importante: um grande estádio de futebol moderno. O Zentralstadion, estádio reformado para a Copa do Mundo de 2006. é o segundo maior estádio de futebol na Alemanha Oriental, menor apenas que o Olympiastadion (Estádio Olímpico de Berlim).

Um novo clube estabelecido precisaria de uma equipe e uma licença para jogar. Caso a Red Bull não conseguisse essa licença seu novo clube teria que começar na Kreisklasse (Oitava divisão alemã) . A empresa então procurou um clube que na época jogava na Oberliga (quinta divisão alemã,liga regional/amadora), desde 2008 a Oberliga, não está sujeita ao sistema de licenciamento da DFB. Por proposta da Michael Kölmel (ator e dono do Zentralstadion), a empresa procurou o SSV Markranstädt, um pequeno clube de uma aldeia a treze quilômetros a oeste de Leipzig. O clube foi positivo para introduzir uma parceria com uma empresa global.

O seu presidente Holger Nussbaum queria assegurar  as finanças a longo prazo já que o clube enfrentava uma forte crise econômica ele apresentou um plano para envolver a Red Bull. Holger Nussbaum apresentou seu plano para Michael Kölmel, que viu sua chance e decidiu participar. Ajudado por Michael Kölmel, a Red Bull iniciou negociações com SSV Markranstädt. Apenas cinco semanas depois do primeiro contato, SSV Markranstädt tinha concordado em vender sua licença para disputar a Oberliga, para a Red Bull. O valor da negociação não foi divulgado, mas acredita-se que a Red Bull pagou algo em torno de trezentos e cinquenta mil euros ao SSV Markranstätd.

Algo curioso é que após vários clubes da antiga Alemanha Ocidental terem recusado o negócio, a Red Bull estabeleceu-se na antiga Alemanha Oriental, e é ai que está a ironia, a Red Bull um clube-empresa estabelecer-se em um local onde o Socialismo imperava. Após a venda o SSV Markranstädt continua existindo e desde 2009 disputa a Oberliga, o clube hoje é uma filial do RB Leipzig.

Por questões burocráticas a Red Bull comprou apenas 49% das ações do Leipzig, na Alemanha uma empresa não pode ser dona majoritária das ações de um clube. Outro fato curioso é que como na Alemanha um clube não pode ter o nome de uma empresa, RB Leipzig significa RasenBallsport Leipzig (clube de esportes com grama), mas a ideologia a marca da empresa de energéticos é clara. Com isso o RB Leipzig se tornou um exemplo a parte Oriental, por sua gestão confiável e digna. Pois após a unificação, o clube da Red Bull foi o primeiro da antiga Alemanha Oriental a conseguir disputar financeira/futebolisticamente com os gigantes do Ocidente.

Após a compra, havia chegado a hora de tornar o RB Leipzig um gigante do futebol alemão, imaginasse então que contratações de peso foram feitas, certo? Não. Foi justamente o contrário,a equipe investiu em jovens talentos de outras equipes e também investiu na formação de seus próprios talentos através de duas categorias de base.

Fazendo com que em apenas sete anos a equipe tenha alcançado a primeira divisão, e não só isso a equipe luta por uma vaga na próxima Champions League. O sucesso da Red Bull na Alemanha é inegável quer você goste ou não.