Relembre o ano de Thiago Braz, campeão olímpico no salto com vara

Thiago Braz medalha de ouro no salto com vara. Foto: Francisco Medeiros/ ME
Thiago Braz medalha de ouro no salto com vara. Foto: Francisco Medeiros/ ME

Jovem paulista de 23 anos, Thiago Braz não era muito conhecido nem mesmo pelos brasileiros, mas surpreendeu o mundo ao levar o ouro no salto com vara, nas Olimpíadas do Rio. A modalidade por muitos anos teve Fabiana Murer como a principal referência para o Brasil, mas a partir do dia 15 de agosto de 2016, passamos a identificar um novo ídolo para o país.

Só que Thiago não chegou ao Rio como uma “zebra”. Devagar, competição atrás de competição, ele foi conquistando seu espaço, garantindo medalhas e demonstrando sua força em provas preparatórias para as Olimpíadas.

LEIA MAIS:
THIAGO BRAZ TEM MEDALHA DE OURO TIRADA DO SITE DO COI

BRASILEIRO CAMPEÃO OLÍMPICO LIDERA RANKING MUNDIAL NO ATLETISMO

Em fevereiro deste ano (4), Braz estreou na temporada de competições em pista coberta na Europa na 12ª edição da Pedros Cup, na cidade de Lodz, Polônia. O brasileiro ficou com a medalha de prata na prova do salto com vara, com 5,67 m, mesma marca do polonês Piotr Lisek, ganhador do ouro, e do tcheco Michal Balner, também prata.

Já no dia 13 do mesmo mês, ele venceu a prova na disputa do Meeting Internacional Indoor de Berlim, na Alemanha, com a marca de 5,93 m, novo recorde sul-americano em pista coberta e o segundo melhor resultado da temporada em ginásio no ranking mundial da IAAF(Associação Internacional de Federações de Atletismo). Na conquista deste ouro, Thiago desbancou o seu adversário dos Jogos Olímpicos, o francês Renaud Lavillenie, que ficou em segundo com a marca de 5,85 m, e o alemão Raphael Holzdeppe, terceiro, com 5,77 m.

Avançando quatro meses, em uma sequência de campeonatos disputados na Alemanha, Thiago Braz levou a medalha de prata no Stabhochsprung Classics, torneio de salto com vara, disputado na cidade de Leverkusen, em 24 de junho. Ele fez um salto de 5,85 m. Já o ouro ficou com canadense Shawnacy Barber (ouro no PAN de Toronto e no Mundial de Pequim, em 2015), com 5,90 m. No dia 28 de junho, o paulista venceu o Meeting Internacional de Salto com Vara, na cidade de Landau, com a marca de 5,80 m, superando o alemão Karsten Dilla, segundo colocado, com 5,70 m, e o grego Konstantinos Filippidis, medalha de bronze, também com 5,70 m.

Em 16 de julho, foi a vez dele ficar com o bronze, ao dividir a terceira colocação, na marca de 5,70 m, com o grego Konstadinos Felippidis e o canadense Shawn Barber, no Meeting de Salto com Vara de Rottach-Egern. Quem levou o ouro foi o norte-americano, Sam Kendricks, com 5,77 m, mesmo resultado do alemão Florian Gaul, ganhador da medalha de prata. Já no Meeting Internacional de Salto com Vara de Jockgrim, no dia 19 de julho, Braz ficou na segunda colocação, com o salto de 5,72 m. Novamente Sam Kendricks levou a medalha de ouro, com a marca de 5,82 m, enquanto o bronze foi para o grego Konstantinos Filippidis, com 5,62 m.

E no encerramento da preparação para os Jogos, Thiago foi medalha de ouro ao vencer o Meeting Internacional de Salto com Vara, disputado na cidade de Schlanders, com a marca de 5,90 m, seu melhor resultado da temporada até então. O grego Konstantinos Filippidis ficou nos 5,65 m, garantindo a medalha de prata, e o português Diogo Ferreira terminou com o bronze, ao fazer 5,55 m.

NAS OLIMPÍADAS

Na noite de segunda-feira, 15, Thiago fez uma prova impecável. Começou a saltar em 5,65, marca que passou logo na primeira tentativa. Na altura seguinte precisou de dois saltos para superar os 5,75 m. Em 5,85 começava a decisão dos lugares no pódio e restavam cinco atletas na disputa. Thiago ultrapassou o sarrafo de primeira. No 5,93 m teve que saltar duas vezes e até então assegurava a medalha de prata. Por fim, restavam apenas Thiago e o francês Renaud Lavillenie, que liderava.

Em uma decisão ousada, Thiago optou em não fazer os 5,98, marca que foi superada com facilidade pelo francês, e ir direito para os 6,03 m. Até então todas as metas já haviam sido atingidas. O saltador já era medalhista e superara o recorde sul-americano, mas não estava satisfeito. Em um momento histórico para o Atletismo brasileiro, e como todo o estádio apoiando, Thiago superou a marca e estabeleceu novo recorde olímpico. Lavillenie, campeão olímpico em Londres 2012 e recordista mundial com 6,16m, não superou a barreira dos 6,03 e terminou com a medalha de prata. O bronze ficou com o norte-americano Sam Kendricks, com 5,85 m.

Após o fim dos Jogos, ainda no mês de agosto Thiago participou do Meeting de Zurique, Suíça, na penúltima etapa da Liga Diamante 2016. O pódio foi composto pelos mesmos atletas da final olímpica, mas agora com algumas posições e alturas diferentes. Sam Kendricks, bronze no Rio, desta vez ficou com o ouro, ao saltar 5,90 m. Renaud Lavillenie manteve a prata, com o mesmo salto do norte-americano, e Thiago conseguiu o bronze, com a marca de 5,84 m.

Na última competição da temporada, em 08 de setembro, Braz faturou a medalha de prata na etapa de Schaan, em Liechtenstein, da Golden Flying, série de competições disputadas em rua. A conquista veio com os 5,70 m, a mesma marca obtida pelo tcheco Jan Kuclicka, que acabou com o ouro pelos critérios de desempate. O grego Konstadinos Fillipidis ficou com o bronze. O francês Renaud Lavillenie, prata no Rio 2016, não disputou a prova.

E para fechar o ano com chave de ouro, o paulista foi eleito no mês de dezembro como o nº 01 no Ranking de salto com vara, conquista que foi fruto de um 2016 repleto de vitórias e marcas superadas por Thiago.

Informações: Confederação Brasileira de Atletismo


VEJA TAMBÉM:
RELEMBRE 5 JOGADORES QUE DEIXARAM A TORCIDA DO SÃO PAULO FELIZ EM 2016



Paulistano, 20 anos. Estudante de Comunicação Social-Jornalismo da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.