Rafaela Silva fala sobre planos após ouro e descarta ida para o MMA: “Já apanhei muito na vida”

Foto: Karoline Rodrigues/Torcedores.com
Foto: Karoline Rodrigues/Torcedores.com

Depois de realizar o sonho de conquistar o ouro olímpico em casa, a judoca Rafaela Silva parte para novos desafios em 2017. O principal deles: a conquista do Campeonato Mundial de Judô, que será disputado em Budapeste, na Hungria.

LEIA MAIS
Cinco meses após ouro olímpico, Rafaela Silva diz que ficha ainda está caindo

Em 2013, a brasileira conquistou o Mundial que foi disputado no Rio de Janeiro. Agora, com a responsabilidade de carregar o backnumber dourado, Rafa vai em busca do bicampeonato.

“Agora tenho um pouco mais de responsabilidade, por ser a atual campeã olímpica. Acho que o Mundial não vai ser diferente de nenhum outro. Eu vou estar mais visada, mas o meu objetivo em 2017 é o Campeonato Mundial. Então, eu vou entrar lá para dar meu melhor como sempre”, afirmou Rafaela Silva, em entrevista exclusiva ao Torcedores.com, em evento beneficente no Rio de Janeiro.

Nos últimos anos, há uma tendência de atletas que estão migrando do judô para o MMA. O sucesso de Ronda Rousey fez com que muitos outros judocas tomassem o mesmo rumo da ex-campeã do UFC. O brasileiro Léo Leite já se sagrou campeão de duas categorias do Legacy e, mais recentemente, a bicampeã olímpica Kayla Harrison anunciou sua ida para o mundo das artes marciais mistas. Quando perguntada se um dia trocaria o quimono pelas luvas, Rafaela Silva foi enfática.

“Eu to fora. Já apanhei muito, agora deixa eu no meu judozinho aqui mesmo”, revelou a campeã olímpica e mundial.

Quem também recusou uma troca de esporte foram o bicampeão olímpico Teddy Riner, que descartou a mudança por considerar o MMA violento demais, e o mentor de Rafaela Silva, o brasileiro Flávio Canto, bronze em Atenas 2004.

“Chegaram a me sondar para o Pride na época que eu fiz judô, mas a minha área era muito dentro do judô. Eu estava muito ligado em competições olímpicas, então isso nunca foi uma opção para mim. Eu acho que cada um segue o seu caminho e eu torço pro pessoal que está lutando lá e que veio do judô”, afirmou o hoje apresentador do Globo Esporte.