Mano diz não ter preferência por determinado estilo de atacante

Mano Menezes
Divulgação/Site oficial do Cruzeiro

Desde a última temporada, muito se especulou sobre as preferências do técnico Mano Menezes em utilizar atacante fixo ou de maior movimentação. O ápice da discussão aconteceu justamente quando o treinador sacou Ramon Ábila da equipe, no primeiro sinal de oscilação do argentino. É bem verdade que neste período o jogador perdeu alguns gols feitos, que custaram preciosos pontos ao time celeste. Mesmo assim, o camisa 50 foi o vice-artilheiro da equipe no Brasileirão, com sete tentos marcados, perdendo apenas para De Arrascaeta, que fez 9.

Para tentar solucionar o problema, Mano Menezes deu oportunidade para Willian, esperando que o jogador voltasse a mostrar o bom futebol que apresentou, por exemplo, na primeira passagem do atual comandante celeste pela Toca da Raposa. Contudo, desta vez, “Bigode” continuou em baixa, sem conseguir reviver seus melhores momentos.

Em uma nova tentativa, Mano mexeu no posicionamento de Rafael Sóbis, centralizando o atleta no ataque. Esta, que até então era a mais improvável, deu certo e o Cruzeiro começou a aproveitar melhor os lances de ataque.

Apesar de todo os questionamentos, o treinador da Raposa mantém o posicionamento que não tem preferência por estilo de jogo, mas sempre vai optar por uma tática que a equipe se adaptar melhor em determinados momentos.

Cruzeiro/Site oficial do Cruzeiro
Cruzeiro/Site oficial do Cruzeiro

Não tenho preferência por essa ou por outra maneira. É importante as pessoas entenderem que a característica dos jogadores deixa claro como a equipe tem que jogar. Com o Ábila lá, precisamos levar a bola até ele. Isso tem um preço. Com os outros dois jogadores, Willian e Sobis, você tem mais movimentação e a participação na construção da jogada”, explicou Mano Menezes na primeira coletiva do ano, realizada na Toca da Raposa II.

Às vezes construímos a jogada e não temos ninguém para definir. Essas são as escolhas do técnico. Vou definir pelo momento da equipe. É preciso ter as duas características. Estou satisfeito dos jogadores que temos” , finalizou o comandante da Raposa.



Foi editor do semanário BolanoBarbante, apaixonado por esportes, entusiasta das corridas de rua e dos jogos de tênis.