Exclusivo: Falcão diz que 2017 será seu ano de despedida da seleção

Falcão
Foto: Rodrigo Dod / Saveget

O maior jogador da história do futsal, Alessandro Rosa Vieira, o Falcão, está perto de encerrar sua carreira vestindo a camisa da seleção brasileira. Foi o que disse o próprio craque em entrevista exclusiva ao Torcedores.com, durante a 2ª edição do evento Reis do Drible.

Falcão deixou claro que 2017 é o ano que quer se despedir da seleção, já que entende que o Brasil precisa passar por uma reformulação e sua presença pode complicar esse processo.

LEIA MAIS: Dátolo diz que lesões atrapalharam no Atlético-MG

“Esse é um ano que eu penso em despedida. Penso no momento certo para fazer um jogo de despedida. Está na hora de renovar e isso deve partir de mim para não haver a pressão ‘olha o Falcão está a disposição’. Eu sei da minha importância e da pressão popular. A partir do momento que eu falar que estou me despedindo o PC (novo técnico da seleção) fica ainda mais tranquilo para dar sequencia no trabalho dele”, disse.

Em setembro do ano passado, após a eliminação para o Irã no Mundial de Futsal, naquela que foi a pior campanha do Brasil na história da competição, Falcão já havia afirmado que seria sua última Copa do Mundo com a camisa verde e amarela. “É a minha segunda pele, são 19 anos com a camisa da seleção brasileira e quase 400 gols. Não vai ser fácil quando acontecer, mas a minha expectativa é de acontecer esse ano”.

De contrato renovado com o Sorocaba para a próxima temporada, Falcão afirmou que há algum tempo atrás havia estipulado um tempo para se aposentar, mas que esse prazo já passou há pelo menos três anos.

“Acho que sou um dos poucos atletas que teve um auge de 10 a 15 anos, porque todo ano eu tenho o compromisso de melhorar e quando penso em me aposentar… hoje à noite estou indo para a Suíça, vou ser premiado antes do Cristiano Ronaldo, mais um incentivo para mim, então isso vai me motivando. Enquanto eu tiver perna e ânimo para buscar títulos, quero continuar jogando.”

Ciente de sua importância para o futsal, o camisa 12 disse que está disposto a ajudar nessa transição que o Brasil deve passar nos próximos anos.

“Eu me deixo totalmente à disposição para ajudar, sempre deixei isso bem claro. Se tiver que jogar mais um pouco para trazer mídia, público ou patrocinadores, eu fico à disposição. Se eles acharem que é o momento de ajudar de outra forma também farei, a minha intenção é ajudar para que o futsal cresça cada vez mais”, concluiu.