Em despedida, Cleiton Xavier diz: “Levarei o Palmeiras para sempre no coração”

Cesar Greco / Ag. Palmeiras

Nesta quarta-feira, o meia Cleiton Xavier se apresentou ao Vitória após sua segunda passagem pelo Palmeiras. Por meio de sua assessoria de imprensa, o jogador se despediu da torcida do Palmeiras de forma emocionante.

“Tenho um enorme carinho pelo Palmeiras e isso jamais mudará. Levarei o clube para sempre no meu coração. Deixo um abraço especial para a torcida, que é diferenciada. Juntos, vivemos bons e maus momentos e vocês sempre me trataram com muito carinho. Obrigado por todo esse apoio. Vocês moram no meu coração”, declarou CX10.

LEIA TAMBÉM:
Chapa de Mustafá oficializa candidatura de ‘casal Crefisa’ ao Conselho do Palmeiras
Você sabia? Novo reforço do Palmeiras já foi herói de título do Corinthians na Copinha
“Palmeiras é um dos verdadeiros parceiros da Chapecoense”, elogia Rafael Henzel
Confirmada renovação, Palmeiras e Crefisa têm Pratto como Plano A e montam estratégia
Mercado da Bola: Palmeiras avança em negociação e deve fechar com Willian Bigode

Somando as duas passagens do atleta pelo Verdão, Cleiton Xavier jogou 142 partidas e marcou 21 gols. Na campanha do eneacampeonato brasileiro em 2016, o camisa 10 balançou as redes quatro vezes, sendo que duas foram importantíssimas para o clube – nas vitórias por 1 a 0, ambas sobre o Corinthians e o Internacional, no Allianz Parque.

Além do título brasileiro, que tinha escapado para ele em sua primeira passagem pelo Verdão em 2009, Cleiton Xavier também foi campeão da Copa do Brasil em 2015. Apesar das façanhas, o jogador não agradou a torcida em seu retorno, principalmente porque o atleta sofreu demais com as lesões musculares.

A saída de CX10 ao Vitória foi acordada após o Palmeiras contratar os experientes meias Alejandro Guerra e Michel Bastos, além de Raphael Veiga e Hyoran. Para compensar o Verdão, o Vitória concordou em ceder o promissor atacante Yan, de 18 anos, por empréstimo até o fim do ano.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.