Nasr: “Em uma palavra, diria que o ano foi desafiador”

Foto: Reprodução/Facebook F1 - oficial
Foto: Reprodução/Facebook F1 - oficial

Ainda sem contrato para a próxima temporada da Fórmula 1, Felipe Nasr segue correndo atrás de sua vaga, ainda mais agora que o mercado inteiro da categoria está de olho na vaga deixada por Nico Robserg na Mercedes. Em entrevista ao site americano Motorsport.com, Nasr falou que seu ano de 2016 foi desafiador. “Em uma palavra, diria que o ano foi desafiador”

O piloto do carro #12 lembrou dos seus feitos da temporada passada onde anotou 27 pontos contra apenas dois esse ano. “Acredito que eu vi os dois lados da moeda. O meu primeiro ano, a estreia na F1, foi fantástico, um ano em que poderia ter um monte de oportunidades, então consegui mostrar muita coisa. Já o segundo ano foi mais difícil, levando em consideração que os recursos da equipe eram os de um time pequeno. As coisas só melhoraram mesmo na segunda parte da temporada”

De acordo com o brasileiro, as disputas na Áustria,Baku, Silverstone e Budapeste foram melhores para a Sauber mas deixou claro que no GP do Brasil foi onde mostrou todo o seu potencial. “No Brasil, as condições foram extremas. Sei que não foi uma questão de sorte, nós tivemos méritos no que fizemos lá. E eu consegui esses dois pontos. Nós sabemos o quanto esses dois pontos valem. Então, sinto que, nesses dois anos, consegui aproveitar todas as oportunidades que surgiram”, afirmou Nasr aos americanos.

Felipe Nasr ainda tem o patrocínio pessoal do Banco do Brasil e segue contra o tempo para fechar contrato para a próxima temporada. Muitas acreditavam que os dois pontos conquistados pelo brasiliense seriam suficientes, mas não foi, então as negociações seguem e não apenas com a Sauber, mas também com a Manor.