Emily Lima Muda O Estilo da Seleção

Créditos da Foto: Lucas Figueiredo

O futebol feminino do país mais uma vez foi campeão do Torneio Internacional, disputado em Manaus. Além de vermos a despedida da jogadora Formiga, que se aposentou após 22 anos de serviços prestados ao time canarinho, já foi possível perceber as diferenças entre o trabalho do ex-técnico Vadão, e da atual treinadora, Emily Lima.

Emily adotou o 4-4-2 com duas linhas que marcam bem a frente. O time brasileiro marca no campo adversário fazendo pressão na saída de bola das adversárias.

Outro ponto, diferente ao trabalho do técnico Osvaldo Alvarez, são as jogadas ensaiadas. Emily trabalha exaustivamente a bola parada, defensiva e ofensiva. O 4-1-4-1 de Vadão, perdeu a volante a frente das zagueiras, mas com o 4-4-2 atual ganha na saída de bola e participação no campo ofensivo.

Sem contar com jogadoras como Marta, Cristiane e Érika, a treinadora apostou em jovens jogadoras como Gabi Zanotti, Francielle e Chú, além das jovens, porém experientes, Bia Zaneratto, Andressinha, Fabiana e Tamires.

A saída de bola envolve inclusive a goleira Bárbara que participa sendo desafogo na saída das zagueiras ou laterais, mesmo sendo a camisa 1 do Brasil não muito técnica com a bola nos pés.

Outra modificação foi a entrada de Bruna na vaga de Monica. A zagueira além da posição ganhou a faixa de capitã da equipe.

Na final o Brasil bateu a equipe da Itália por 5 a 3, no entanto avalio como preocupante a parte defensiva do time brasileiro. Emily conseguiu aprimorar a parte ofensiva, tornando a equipe mais criativa e com chegada constante ao ataque, no entanto, o setor defensivo tornou-se exposto. Nossas duas zagueiras, Bruna e Rafaelle, são lentas, por isso, algum tipo de proteção será necessária, seja de uma das volantes ficar mais a frente da zaga, ou mesmo da subida alternada das laterais, o que eu acredito ser mais viável.