“Abalou o skate”, diz Bob Burnquist sobre esporte na Tóquio-2020

Bob Burnquist aprova skate nos Jogos Olímpicos

Maior medalhista da história dos X-Games, o carioca Bob Burnquist está animado com a entrada do esporte nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020. Ídolo de várias gerações, Bob disse que a notícia “abalou o skate como um todo” e que a novidade resultará em coisas boas para a prática.

LEIA MAIS: Veja momentos em que o esporte transformou vidas

O multi-campeão se mostrou animado também com o desempenho dos brasileiros ao redor do mundo e apontou possíveis herdeiros, como Luan de Oliveira, Letícia Bufoni e Pedro Barros. Para ele, o Brasil vive um “momento muito bom” no skate.

Embora aprove o esporte nos Jogos Olímpicos, Bob Burnquist se mostra receoso quanto à forma de disputa, mas espera o melhor, inclusive que o skate evolua no País com novas pistas e a prática nas escolas.

Em agenda pelo País, o carioca está em Brasília para o evento Yo! Music, festival de rap e hip hop que acontece no estacionamento do Estádio Mané Garrincha, no sábado (3). Ele estará presente e participará do festival com a Bob’s Ramp ao lado de Sandro Dias, o Mineirinho, e Pedro Barros. A megarrampa estará disponível ao público durante o evento.

Leia abaixo a entrevista para o Torcedores.com


Torcedores.com – Quem será o(a) herdeiro(a) do Bob Burnquist no skate?

Bob Burnquist – Tem uma galera que está representando bem aí, tanto no masculino como no feminino. Temos a Letícia (Bufoni), o próprio Luan de Oliveira, mais do Street, que está impressionante, sempre entre os três melhores. O skate vem crescendo muito no Park e no Street, é legar ver muitos nomes novos. A força do skate brasileiro está cada vez maior. Temos o Pedro Barros no Park, Murilo Peres…. Uma galera correndo bastante. Acredito também no Italo Peñarrubia, se focar na parte do park. São muitos nomes e muitas oportunidades para o Brasil. Estamos em um momento muito bom.

Torcedores.com – O esporte se tornar olímpico gerou muitos comentários entre os praticantes. Como você recebeu a notícia?

Bob Burnquist – Repercutiu bastante no meio do skate. A galer meio que esperava, eventualmente, entrar nos Jogos, mas não estava certo de ser nos Jogos em Tóquio. Então a notícia veio e abalou o skate como um todo. É muito positivo e uma situação que pode trazer muitos benefícios para o skate.

Torcedores.com – E qual seria a melhor forma de disputa nos Jogos Olímpicos?

Bob Burnquist – São duas atividades bem distintas. O skate é bem subjetivo, um estilo de vida e até difícil chamar de esporte por mais que tenha evoluído a esse ponto. Sabemos que vai ser park e street, então é realmente ver o formato da pista, transições, fora a organização, que será a ISF junto da Roller Sports, duas organizações distintas, não temos o controle total, mas vamos trabalhar para isso e que o skate esteja bem representado. Isso é o mais importante

Torcedores.com – O que pode ser feito para melhorar a prática no País?

Bob Burnquist – Até lá podemos fazer muitas coisas, como skate nas escolas, pistas públicas. Já são argumentos para a galera ter onde andar. Coisas positivas que vão trazer muitas outras para o skate.



Jornalista graduado pelo UniCEUB, em 2010. Trabalha com esportes desde 2010 e atualmente sub-editor do caderno Torcida, do Jornal de Brasília. Passou também pela redação do Jornal Metro. Cobriu jogos do Brasileiro (Séries A a D), Copa do Mundo-2014 e Campeonato Candango, além de eventos como o Novo Basquete Brasil e a Liga Futsal.