Copa: primeira fase de primeira e punição de segunda

Primeira fase da Copa de primeira

Salve, amigos torcedores!

No meu ultimo post feito no término da primeira rodada da Copa, expus minhas impressões sobre o que vi e o real perigo dos Europeus quebrarem o tabu de nunca terem conquistado uma Copa do Mundo nas Américas.

Desde então, até o final da fase de classificação, muita água passou por debaixo da ponte, algumas zebras aconteceram – a Costa Rica sem duvida a maior delas. Algumas campeãs deram adeus de forma melancólica – talvez a Espanha seja o melhor exemplo. Os americanos do Sul, Centro e Norte mostraram que não estão para brincadeira e querem deixar a Taça Fifa por estas bandas.

Algumas seleções presentearam seus torcedores com a emoção da classificação para a fase eliminatória da competição pela primeira vez – Costa Rica, Grécia e Argélia.

Dos europeus, França, Alemanha e Holanda salvaram a reputação do Velho continente, arranhada com a eliminação dos campeões Espanha, Itália e Inglaterra.

Da África vieram seleções cheias de conflitos internos e discussões sobre premiação, como Camarões e Gana que naufragaram com seus demônios.

Quase deu para a Costa do Marfim, eliminada pela Grécia em um pênalti cometido nos acréscimos do jogo decisivo.

Sobreviveram Argélia e Nigéria.

Copa de jogos abertos, de muitos gols.

Copa dos erros de arbitragem, da tecnologia na linha do gol.

Copa de Robben, Van Persie, Muller, Klose, Benzema, Messi, Neymar e tantos outros.

Copa de algumas jogadas violentas, desleais e até bizarramente caninas.

Copa de estádios cheios, emanando a alegria do encontro de culturas e povos diferentes.

Copa da invasão de torcedores vizinhos.

Argentinos, chilenos, colombianos, mexicanos, transformaram os estádios brasileiros em verdadeiros Monumentais, Aztecas, Nacionais, Atanasios e afins, incentivando, cantando, empurrando-os para a classificação.

Copa que confirmou em sua primeira etapa, todo o carisma, simpatia e hospitalidade do povo brasileiro, tão conhecido e propalado em todo o mundo.

Termina a fase de classificação e diante de todos os fatos e acontecimentos é possível afirmar sem sombra de duvidas que o Brasil vai fazendo a lição de casa com todo louvor!

Que venha a fase eliminatória!

É hora das seleções mostrarem quem tem garrafa pra vender. Quem pode mais, chora menos, já diria a sabedoria popular!

Como costuma dizer um famoso locutor esportivo: “haja coração, amigo!”

Quem passa para as quartas de final?

Quais meus favoritos, meus palpites?

Falarei sobre isso no meu próximo post.

O lado polêmico da Copa

 

Toda Copa do Mundo que se preza tem uma polemica para alimentar as discussões mundo afora, desde os estúdios repletos de profissionais a defender suas teses até as mesas de bar com seus calorosos embates movidos a muito álcool e empolgação.

A polemica desta Copa do Mundo já esta escolhida e gira em torno do atacante uruguaio Luis Suarez.

Pela mordida que deu no italiano Chiellini e pela pesada sanção que recebeu do comitê disciplinar da Fifa.

Como também sou filho de Deus, vou dar meu pitaco a respeito do assunto.

Em primeiro lugar, obviamente o ato de licantropia de Suarez, repetido pela terceira vez na carreira contra um adversário, mereceria punição exemplar.

Na verdade, nem mesmo o mais otimista dos uruguaios esperava ver Luis Suarez em ação mais uma vez nesta Copa.

Sabiam que o ato intempestivo de seu principal atacante custaria caro para ele e para a seleção.

A comissão disciplinar na Fifa se reuniu, analisou as imagens e resolveu punir o atleta como esperado.

Até ai, tudo certo.

O problema foi o tamanho da punição aplicada pela entidade, completamente desproporcional em minha opinião.

Os nove jogos de suspensão são aceitáveis se puxarmos na memória que pelo mesmo ato o jogador já havia sido suspenso por 7 e 10 partidas quando jogava pelo Ájax e Liverpool respectivamente.

Em 1994 o italiano Mauro Tassotti pegou 8 jogos de gancho por quebrar o nariz do Espanhol Luiz Enrique com uma cotovelada em lance também visto em VT e não durante o jogo.

A coisa poderia parar por ai, afinal de contas esta pena praticamente encerra a participação de Luis Suarez em Copas.

Mas a Fifa resolveu transformar o uruguaio em bode expiatório e além dos jogos, aplicou uma multa de 111 mil dólares, uma suspensão de quatro meses do futebol, o que o impede de jogar pelo Liverpool até outubro.

Como se tudo isso não bastasse, a Fifa determinou que a credencial do jogador fosse cassada, impedindo que ele acompanhe o restante da Copa com seus companheiros de time já que não pode ficar na concentração e nem mesmo assistir aos treinamentos da Celeste.

Sem opção, tratado quase como um bandido, como persona non grata pelos senhores engravatados da Fifa, Luiz Suarez já deixou o Brasil vai acompanhar o restante da Copa pela televisão aguardando um recurso da Confederação Uruguaia de Futebol.

Para os dirigentes da Fifa, tal punição foi bem aplicada.

O atacante uruguaio foi enquadrado em dois artigos do código disciplinar da instituição: 48 e 57 referentes a praticas agressivas e comportamento antidesportivo em relação a outro jogador.

A resposta de Jim Boyce, um dos vice-presidentes da Fifa, à BBC de Londres, deixa claro que o fato de ser reincidente pesou muito na decisão dos dirigentes da entidade.

“Acho que a punição dada a ele é completamente justificável, esperamos que ele tenha aprendido que esse tipo de comportamento não pode ser tolerado” disse Boyce.

Como disse, acho que Suarez merecia punição, mas os engravatados exageraram na dose.

Meus amigos torcedores, um abraço!

Vamos falando!