Opinião: O Maracanã virou a Bombonera na Copa

Getty Images

Os hermanitos não são a minha preferência. Se perderem o ônibus para o estádio, melhor. E esquecerem as chuteiras, melhor ainda, Se o Messi tiver um piriri, aí eu choro! Mas eles vieram com mais de 50 mil para o Brasil na Copa esperando uma jogada do Messi. Um disparo com aquela corridinha curta e a bola amarrada nos pés.

O cara é fera, mas não foi no primeiro tempo contra a Bósnia. Di Maria, de quem eu sou fã de carteirinha, ficou no Hotel e não veio para o primeiro tempo. E de importante eles não fizeram nada. Um gol na verdade, contra do abestado do Kolasinac numa falta batida por “ele”. E o Mascherano? É só porrada e mais nada.

A Bósnia não é ruim de bola e enfrenta os hermanitos com o pescoço levantado. Mas falta um pouco mais. Pelo menos mais três jogadores de primeira para ajudar Misimovic e Dzeko.

Vamos sofrer mais um pouco porque vem a segunda etapa. E os hermanitos não param de cantar e cantar. Êta povo pra fazer barulho.

LEIA MAIS:
Esse Messi… Craque responde a xingamentos de brasileiros com belo gol
Argentinos fazem a festa no Rio de Janeiro; veja fotos
Argentinos criam música para provocar brasileiros; assista
Kolasinac marca o gol contra mais rápido da história da Copa
Argentina tem ‘Jesus Cristo’ no Maracanã na torcida pela Copa

A Bósnia até que vinha bem no jogo, mas aí “ele” fez aquela jogadinha manjada de sair correndo com a bola amarrada no pé – e depois que dois bósnios baterem um no outro na entrada da área e, conseqüentemente caírem no chão num lance ridículo – fez o gol de perna esquerda. Como sempre.

Aí o Maraca virou a Bombonera. Um coro só cantando. Penso que de alegria. Ibisevic fez o gol da Bósnia no final, levantou a brasileirada no Maraca mas não adiantou. Final, 2 a 1 para eles.

Na chave dos hermanos, tem ainda o Irã e a Nigéria. A Bósnia deve passar junto com eles. Hoje não tem chope suficiente no Rio para tantos argentinos. E outras cositas mas.

Crédito da foto: Getty Images



Luiz Ceará é formado em Jornalismo pela PUCC-Campinas. Iniciou a carreira na Radio Cultura de Campinas e depois EPTV, filiada à Rede Globo. Trabalhou na TV Globo - SP, SBT, TV Século 21, TV Bandeirantes e RedeTV!, onde é repórter e comentarista. Participou da cobertura de 4 Copas de 3 Olimpíadas.