A redenção de Tiago Splitter

splitter

Thiago Splitter, o primeiro brasileiro a ser campeão da NBA não foi brilhante, é verdade. Mas também não foi nenhum papagaio de pirata, obviamente.

Titular em boa parte da campanha, virou reserva ainda nas finais de conferência. Mas ser reserva nesse time do Spurs, definitivamente, não é demérito nenhum. Muito pelo contrário. E usando o mesmo enredo de toda a temporada,Gregg Popovich repetiu o trunfo do banco como principal carta para estraçalhar o Miami Heat.

Aliás, Splitter é um bom símbolo dessa conquista do time de San Antonio. Como dissemos, é um reserva. Além dele, Patty Mills, Boris Diaw e Manu Ginobili também vêm do banco e foram não só fundamentais, mas brilhantes na trajetória até a glória de ontem.

Os quatro jogadores, inclusive, têm outra coisa em comum: não são norte-americanos. Como também não é Tony Parker, Marco Bellinelli, pra ficar só entre os que realmente entram em quadra. Na liga esportiva que reina em absoluto dentro da modalidade, e que não faz questão nenhuma de esconder que é um produto dos Estados Unidos a ser vendido para o resto do mundo, não deve ser fácil brilhar tendo nascido fora de onde tudo acontece.

Como também não deve ser fácil pra cidadão nenhum do mundo juntar os cacos depois de estar a cinco segundos de ser campeão, e ver o título mais importante da carreira escorrer pelas mãos. A derrota traumática que o Spurs sofreu na temporada passada tinha tudo pra sacramentar o fim da era Tim Duncan pelos lados do Texas.

Mas se essa história fosse feita apenas de tendências, Tiago Splitter também tinha tudo pra ter toda uma carreira marcada por um único lance: o toco espetacular que sofreu de LeBron James nas finais do ano passado.

Só que o destino é muito mais sutil do que isso, e mesmo quando o troféu já estava sendo lustrado para ser erguido também por Tiago, o brasileiro tratou de rejeitar Dwyane Wade – a outra estrela da franquia adversária, na mais óbvia representação do ‘aqui se faz, aqui se paga’.

A redenção do Spurs é também a redenção de Tiago Splitter, que agora fica marcado por algo muito mais saboroso: é o primeiro brasileiro da história a ser campeão da NBA. E isso sim é coisa pra se carregar a vida inteira.



O blog Homens Brancos Não Sabem Blogar (HBNSB.com) existe desde 2010, escrevendo sobre basquete brasileiro, europeu, curiosidades e, principalmente, NBA. O nome é uma homenagem a este clássico esquecido do cinema basqueteiro: White Men Can't Jump.